O mercado de ações é conhecido por suas oscilações. E por conta dessa volatilidade, uma das maneiras mais eficientes de buscar ganhos na Bolsa é contar com a gestão profissional dos fundos de investimentos. O investidor coloca parte dos seus recursos na mão de uma equipe de especialistas que busca maximizar os retornos com risco adequado.

A opção mais conhecida para isso são os fundos tradicionais de investimentos em ações, chamados de fundos long only, termo em inglês que significa ‘apenas comprado’. Essa expressão é famosa no mercado e designa posições que lucram com a alta dos ativos e apresentam perdas com a queda deles. Ou seja, ao aplicar em um fundo long only, o investidor espera que os ganhos sejam gerados pela valorização das ações escolhidas pelos gestores.

A Safra Asset é responsável por diversos produtos nessa classe, como o fundo Safra Ações Livre, que promove uma gestão ativa baseada na seleção criteriosa de empresas que contam com fundamentos sólidos.

 
 

Mas a estratégia long only não é a única possibilidade oferecida pelos fundos que investem em ações. Produtos importantes na diversificação da carteira, os fundos long biased e os fundos long & short também operam na Bolsa, mas com perfis de risco e objetivos distintos.

Long & short

Os fundos classificados como long & short são tão diferentes que costumam utilizar como referência o CDI, e não o Ibovespa. Eles em geral dividem o patrimônio em duas partes: uma comprada (long), como fazem os fundos de ações tradicionais, e outra parte vendida (short), que se comporta de maneira inversa, lucrando com a desvalorização dos papéis. Essas operações são realizadas de forma simultânea e o resultado vem da diferença entre as posições.  

Quando as operações compradas têm o mesmo tamanho das operações vendidas e a exposição líquida é zero, a estratégia é chamada de long & short neutro, um bom exemplo é o Safra Kepler. Já se o gestor puder optar por aumentar uma parte em detrimento de outra, mudando assim a exposição líquida do fundo, trata-se da estratégia long & short direcional.

A calibragem pode se basear em diferentes fatores. Quando acredita que o momento do mercado é positivo, por exemplo, o fundo pode elevar a posição comprada. Além disso, a composição dos dois portfólios também varia. É possível montar as posições a partir do fundamento das empresas, ou explorar assimetrias e distorções entre ações de uma mesma companhia ou dentro de um setor.

Com essa abordagem, os fundos long & short buscam entregar retornos em diferentes ambientes, seja de mercado em alta ou em baixa. Já o grau de risco varia de acordo com o grau de exposição e de alavancagem dos fundos.

Long biased

Uma categoria importante para aqueles que desejam investir em ações, mas com uma gestão que busque suavizar as oscilações do mercado, é a de fundos long biased. Nela, os profissionais responsáveis pelos investimentos podem, com base em seus cenários, ficar mais comprados em ações quando a expectativa é de alta, ou mais vendidos quando preveem uma queda. Desse modo, é possível buscar resultados, independentemente dos movimentos dos ativos.

Mas de modo diferente da estratégia long & short, a exposição líquida neste caso é maior – como o nome diz, há um viés comprado.

São os ajustes nas posições realizados por profissionais experientes que permitiram ao fundo long biased do Safra mitigar os efeitos da pandemia neste ano. Com uma gestão ativa tanto na seleção das empresas, quanto no gerenciamento dos riscos, o Safra Arquimedes conseguiu não apenas limitar as perdas com a crise do coronavírus, como também potencializar os retornos durante o movimento de recuperação dos ativos.

Veja também:
> União da inteligência artificial com experiência na gestão faz fundo quantitativo ganhar tração na crise 
> Entenda como a gestão ativa pode melhorar seus retornos na renda fixa

Assim, o fundo busca diferentes formas de diversificação, não só para otimizar os rendimentos, mas também para propiciar uma maior defesa em momentos de forte volatilidade.

Selo-Autorregula-Colorido-01.pngAVISOS: LEIA O FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES, A L MINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS, SE HOUVER, E O REGULAMENTO ANTES DE INVESTIR. O INVESTIMENTO EM FUNDOS NÃO É GARANTIDO PELO ADMINISTRADOR, PELO GESTOR, POR QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU PELO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. DESCRIÇÃO DO TIPO ANBIMA DISPONÍVEL NO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. A RENTABILIDADE DIVULGADA NÃO É LÍQUIDA DE IMPOSTOS, TAXA DE PERFORMANCE E/OU TAXA DE SAÍDA. A COMPARAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO E INDICADORES ECONÔMICOS É MERA REFERÊNCIA, E NÃO META OU PAR METRO DE PERFORMANCE. Material de divulgação do Safra Ações Livre FIC FIA, CNPJ: 32.666.326/0001-49. Data de início do fundo: 23/05/2019. Este fundo é destinado a investidores em geral. O objetivo do FUNDO é atuar no sentido de propiciar aos seus condôminos valorização de suas cotas mediante a aplicação de seus recursos, preponderantemente, em ativos de renda variável. A tributação aplicável aos COTISTAS do FUNDO, como regra geral, é a seguinte: I - Imposto de Renda Retido na Fonte (“IRRF”): os rendimentos auferidos nas aplicações em cotas do FUNDO são tributados pelo IRRF à alíquota de 15% (quinze por cento), exclusivamente por ocasião do resgate de cotas. II - Imposto sobre Operações Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (“IOF/Títulos”): incidirá IOF regressivo nas aplicações com prazo inferior a 30 (trinta) dias, conforme tabela anexa ao Decreto n.º 6.306/07 (e alterações posteriores). Classificação Anbima: Ações Livre. Taxa de administração de 2,00%. Taxa de performance de 20% do que exceder o Ibovespa. O fundo não cobra taxa de saída. PL médio dos últimos 12 meses: R$ 31,95 milhões. Não há carência para resgate. Cotização de resgate: D+31/Pagamento D+2 após a data de conversão. Classificação do Produto de Investimento: 8. Principais fatores de risco são relacionados à: LIQUIDEZ: A redução ou inexistência de demanda dos ativos integrantes da carteira do FUNDO nos mercados em que são negociados, no prazo e pelo valor desejado, pode prejudicar a rentabilidade do FUNDO ou dificultar o atendimento dos prazos de resgate estabelecidos; MERCADO INTERNO E EXTERNO e a fatores econômicos e/ou políticos nacionais e internacionais; e CRÉDITO, especialmente quanto ao risco de inadimplemento e oscilações de preço motivadas pelo spread de crédito. Rentabilidade nos últimos 12 meses: 3,89%, fonte: Quantum. Data-base: 30/10/20. Safra Kepler Fundo de Investimentos Multimercado, CNPJ: 21.144.577/0001-47. Data de início do fundo: 29/12/2014. Este fundo é destinado a investidores no geral. O objetivo do FUNDO é atuar no sentido de proporcionar aos seus cotistas valorização de suas cotas, preponderantemente, por meio de estratégias que englobam operações de ativos e derivativos ligados ao mercado de renda variável, montando posições compradas e vendidas. A tributação aplicável aos COTISTAS do FUNDO, como regra geral, é a seguinte: I - Imposto de Renda Retido na Fonte (“IRRF”): os rendimentos auferidos pelo cotista sujeitar-se-ão à tributação pelo IRRF semestralmente (come-cotas) à alíquota de 15%, no último dia útil dos meses de maio e novembro, e, por ocasião do resgate a complementação, a alíquotas decrescentes (22,5%, 20%, 17,5% ou 15%), de acordo com o prazo de aplicação. II – Imposto sobre Operações Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (“IOF/Títulos”): incidirá IOF regressivo nas aplicações com prazo inferior a 30 (trinta) dias, conforme tabela anexa ao Decreto n.º 6.306/07 (e alterações posteriores). Classificação Anbima: Multimercados Long and Short Neutro. Taxa de administração de 2,00% a.a. Taxa de performance de 20% sobre o que exceder 100% da variação do CDI. PL médio dos últimos 12 meses: R$ 533,48 milhões. Não há carência para resgate. Taxa de Saída de 5%, caso não sejam respeitados os prazos de resgate estipulados no Regulamento do Fundo, Cotização com taxa de saída: D+0/pagamento: D+1 após a data de conversão. Cotização de resgate sem taxa de saída: D+30/Pagamento D+1 após a data de conversão. Classificação do Produto de Investimento: 5. Principais fatores de risco são relacionados à: MERCADO: Os ativos financeiros do FUNDO podem ser afetados por fatores econômicos e/ou políticos nacionais e internacionais, bem como oscilações provocadas por motivos conjunturais ou específicos nos preços das ações de companhias abertas com sede no Brasil ou no exterior em posições preponderantemente compradas, por condições dos mercados de juros de curto prazo, índices de preços, entre outros. A redução ou inexistência de demanda dos ativos e a situação econômico-financeira dos emissores dos títulos e valores mobiliários também podem impactar seu valor. Tais variações podem acarretar oscilação no valor das cotas do FUNDO e a valorização ou depreciação do capital aplicado. MERCADO EXTERNO: A performance do FUNDO poderá ser afetada por aspectos legais e/ou regulatórios, por alterações nas condições política, econômica e social, por exigências tributárias dos países nos quais ele invista ou pela mudança da paridade da moeda brasileira em relação a determinadas moedas. CRÉDITO: O inadimplemento dos emissores dos ativos integrantes da carteira do FUNDO ou das contrapartes em operações realizadas com o FUNDO podem acarretar efeitos negativos para o FUNDO. Dentro dessa classe de risco destacam-se, dentre outros, as oscilações do valor dos ativos provenientes da variação do spread de crédito privado de baixo risco e do spread de crédito soberano. LIQUIDEZ: Caracterizam-se, primordialmente, pela possibilidade de redução ou mesmo inexistência de demanda dos ativos integrantes da CARTEIRA nos mercados em que são negociados. Rentabilidade nos últimos 12 meses: 5,28%, fonte: Quantum. Data-base: 30/10/20. Safra Arquimedes FIA BDR Nível I, CNPJ: 17.253.801/0001-61. Data de início do fundo: 25/04/2013. Este fundo é destinado a investidores qualificados. O objetivo do FUNDO é atuar no sentido de propiciar aos seus condôminos valorização de suas cotas mediante a aplicação de seus recursos, preponderantemente, em ativos de renda variável, notadamente em certificados de depósitos de valores mobiliários BDRs Nível 1. A tributação aplicável aos COTISTAS do FUNDO, como regra geral, é a seguinte: I - Imposto de Renda Retido na Fonte (“IRRF”): os rendimentos auferidos nas aplicações em cotas do FUNDO são tributados pelo IRRF à alíquota de 15% (quinze por cento), exclusivamente por ocasião do resgate de cotas. II - Imposto sobre Operações Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (“IOF/Títulos”): incidirá IOF regressivo nas aplicações com prazo inferior a 30 (trinta) dias, conforme tabela anexa ao Decreto n.º 6.306/07 (e alterações posteriores). Classificação Anbima: Ações Livre. Taxa de administração de 2,00%. Taxa de performance de 20% sobre o que exceder IPC-A + 6%a.a. Taxa de Saída de 5%, caso não sejam respeitados os prazos de resgate estipulados no Regulamento do Fundo, Cotização de resgate com taxa de saída: D+1/pagamento: D+2 após a data de conversão. PL médio dos últimos 12 meses: R$ 1195,33 milhões.Não há carência para resgate. Cotização de resgate sem taxa de saída: Conversão: D+31/Pagamento D+2 após a data de conversão. Classificação do Produto de Investimento: 7. Principais fatores de risco são relacionados à: MERCADO: Os ativos financeiros do FUNDO podem ser afetados por fatores econômicos e/ou políticos nacionais e internacionais, bem como oscilações provocadas por motivos conjunturais ou específicos nos preços das ações de companhias abertas com sede no Brasil ou no exterior em posições preponderantemente compradas, por condições dos mercados de juros de curto prazo, índices de preços, entre outros. A redução ou inexistência de demanda dos ativos e a situação econômico-financeira dos emissores dos títulos e valores mobiliários também podem impactar seu valor. Tais variações podem acarretar oscilação no valor das cotas do FUNDO e a valorização ou depreciação do capital aplicado. MERCADO EXTERNO: Os fundos nos quais o FUNDO aplica manterão em sua carteira certificados de ações BDRs nível 1 de empresas norte-americanas e/ou listadas nas bolsas norte-americanas, e consequentemente sua performance pode ser afetada por requisitos legais ou regulatórios, por exigências tributárias relativas a todos os países onde as respectivas sedes das companhias abertas emissoras das ações que lastreiam os BDRs nível 1 estejam estabelecidas, e nos quais ele invista ou, ainda, pela variação do Real em relação a outras moedas. Os investimentos d dos fundos nos quais o FUNDO aplica estarão expostos a alterações nas condições política, econômica ou social nos países onde as respectivas sedes das companhias abertas emissoras das ações que lastreiam os BDRs nível 1 estejam estabelecidas, e sejam objeto de investimento dos fundos nos quais o FUNDO aplica, o que pode afetar negativamente o valor de seus ativos. Podem ocorrer atrasos na transferência de juros, dividendos, ganhos de capital ou principal, entre países sede dos emissores de ações que lastreiam os BDRs nível 1 em que os fundos nos quais o FUNDO invista e o Brasil, o que pode interferir na liquidez e no desempenho dos fundos nos quais o FUNDO aplica. As operações dos fundos nos quais o FUNDO aplica poderão ser executadas em bolsas de valores, de mercadoria e futuros ou registradas em sistema de registro, de custódia ou de liquidação financeira de diferentes países que podem estar sujeitos a distintos níveis de regulamentação e supervisionados por autoridades locais reconhecidas, entretanto não existem garantias acerca da integridade das transações e nem, tampouco, sobre a igualdade de condições de acesso aos mercados locais. CRÉDITO: O inadimplemento dos emissores dos ativos integrantes da carteira do FUNDO ou das contrapartes em operações realizadas com o FUNDO podem acarretar efeitos negativos para o FUNDO. Dentro dessa classe de risco destacam-se, dentre outros, as oscilações do valor dos ativos provenientes da variação do spread de crédito privado de baixo risco e do spread de crédito soberano. LIQUIDEZ: Caracterizam-se, primordialmente, pela possibilidade de redução ou mesmo inexistência de demanda dos ativos integrantes da CARTEIRA nos mercados em que são negociados. Rentabilidade nos últimos 12 meses: 7,79%, fonte: Quantum. Data-base: 30/10/20. Gestor: Safra Asset Management Ltda. CNPJ: 62.180.047/0001-31. Administrador: Safra Serviços de Administração Fiduciária Ltda. CNPJ: 06.947.853/0001-11. Os serviços de Distribuição e Custódia são prestados pelo Banco Safra S/A, inscrito no CNPJ sob o nº 58.160.789/0001-28. SUPERVISÃO E FISCALIZAÇÃO: Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Serviço de Atendimento ao Cidadão em www.cvm.gov.br. Para mais informações, procure um gerente Safra ou acesse o site www.safraasset.com.br. Atendimento aos Portadores de Necessidades Especiais Auditivas e de Fala/SAC – Serviço de Atendimento ao Consumido/Proteção de Dados: 0800 772 5755 – Atendimento 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ouvidoria, caso já tenha recorrido ao SAC e não esteja satisfeito(a): 0800 770 1236 – De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, exceto feriados.